Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

14.05.20

O que se lê por aqui

Rita
Peguei finalmente no clássico "As Vinhas da Ira" de John Steinbeck, são 30 capítulos, estou a ler um por dia de modo que a leitura vai prolongar-se até ao final de maio. A leitura de "Uma Educação" de Tara Westover não tem evoluído, sinto que Steinbeck já está a exigir praticamente a totalidade da minha capacidade de concentração por estes dias, pelo que voltarei a dedicar-me ao primeiro quando sentir que estão novamente reunidas condições para tal. O que por aqui não se (...)
23.04.20

Dia mundial do Livro, em casa

Rita
  A book must be the axe for the frozen sea within us. Franz Kafka Pela internet fora, são vários os eventos de comemoração deste dia, principalmente através de promoções em livros que visam continuar a levar os livros até aos leitores, quer estes estejam em confinamento ou continuem a sair de casa diariamente para trabalhar. A Wook (...)
09.08.18

OPINIÃO | Anna Karenina (sem spoilers)

Rita
 Título: Anna Karenina Autor: Leo Tolstoy Ano da primeira publicação: 1878 Editora: Macmillan Collectors Edition   Esta obra-prima da literatura (talvez o livro mais bonito que tenho lá em casa) esteve na minha estante à espera de ser lido durante aproximadamente um ano, tendo sido necessário cerca de um mês e meio para desbravar as mais de mil páginas. Foi o segundo livro de Tolstoy que li, depois de A Morte de Ivan Ilitch decidi que tinha de me aventurar com Anna Karenina ou Gue (...)
08.06.18

Finalmente em Maio

Rita
Finalmente em Maio comecei a leitura de Anna Karenina. Finalmente constatei a grandiosidade da obra. Maio chegou ao fim quando, finalmente, terminei a única leitura do mês. Foi em Maio que finalmente me viciei em podcasts, ouvi a toda a hora, todos dias, e foi muito bom! Maio trouxe, finalmente, a Feira do Livro de Lisboa. Maio passou sem que eu lá tivesse posto os pés. Foi Junho que trouxe a chuva e a minha primeira (e única?) ida à feira, com o objetivo de trazer por €5 mais uma das obras do Ondjaki (...)