Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

19.04.18

OPINIÃO | Nunca me deixes

Rita
 Título: Nunca me deixesAutor: Kazuo IshiguroAno da primeira publicação: 2005Editora: Gradiva Nunca me deixes é um dos livros mais lidos do prémio Nobel Kazuo Ishiguro. Parti para esta leitura sem nada saber, sem ter lido a sinopse, nem opiniões de outros leitores, como faço frequentemente. Escolhi este livro apenas por querer conhecer o autor, premiado e bastante elogiado. A deceção começou ao fim de algumas páginas, quando percebi que o livro era um misto de distopia e (...)
10.08.16

OPINIÃO | Pines

Rita
 Título: PinesAutor: Blake CrouchAno da primeira publicação: 2015Editora: Suma de Letras Esperava muito deste livro, não creio que tenham sido apenas as expectativas elevadas a conduzir-me à decepção, foi mesmo a mediocridade do livro.  A personagem principal é Ethan Burke, um agente especial. Ethan acorda num hospital em Wayward Pines, sem se (...)
27.06.16

OPINIÃO | A instalação do medo

Rita
 Título: A instalação do medoAutor: Rui ZinkAno de publicação: 2012Editora: Teodolito Pensei em não escrever sobre este livro, tal era a falta de vontade, mas lá entendi que deveria escrever qualquer coisa. Para começar senti-me a pessoa mais ignorante do país quando várias pessoas me disseram: "Estás a ler um livro do Rui Zink? A (...)
02.06.16

OPINIÃO | Red Rising

Rita
 Título: A Alvorada VermelhaAutor:  Pierce BrownAno de publicação: 2015Editora: Editorial Presença Uma frase para resumir o livro: The Hunger Games em Marte. Têm duvidas, ora vejam:- Ambos têm uma sociedade dividida em "fracções", dependendo da matéria que produzem- Ambos têm arenas onde os adolescentes se matam uns aos outros- Ambos têm protagonistas (revoltados) que de alguma forma se vão destacar na sociedade Red Rising, traduzido em Portugal como A Alvorada Vermelha
12.01.16

OPINIÃO | Os números que venceram os nomes

Rita
 Título: Os números que venceram os nomesAutor: Samuel PimentaAno de Publicação: 2015Editora: Marcador Não sei bem o que pensar acerca deste livro, fiquei aterrorizada com o mundo distópico que o autor criou. O autor apresenta-nos um futuro onde os nomes não existem, a personagem principal chama-se Um Nove Um Seis, uma outra personagem é o Um Quatro Um Seis e por aí em diante.Esta obra tem um enorme significado, apesar de todos termos os nossos nomes, somos também (...)