Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

15.05.17

A "Minha" Biblioteca #1

Rita
Sábado é o dia predilecto para ir à biblioteca, a verdade é que, por incompatibilidade horária, é mesmo o único dia em que consigo lá ir e encontrá-la aberta. A seguir ao almoço, pego no saco de pano, no cartão de leitor e lá vou eu. O percurso entre casa e a biblioteca é curto mas está repleto de pequenos tesouros que permitem antever a magia do destino final. Este é, sem dúvida, aquele de que gosto mais:     Foi dada vida a uma parede que outrora não tinha graça. A (...)
30.04.16

Fui à Biblioteca

Rita
A biblioteca lá da terra mudou de instalações, foi inaugurada na passada segunda-feira após ter estado encerrada durante quase dois meses. Hoje fui lá matar saudades e trouxe estes para ler durante os próximos dias:   Romeu e Julieta de William Shakespeare O Senhor Valéry e O Senhor Henri de Gonçalo M. Tavares (vou dar uma segunda oportunidade ao senhor) Pantaleão e as Visitadoras de Mario Vargas Llosa   Já leram algum destes?
19.01.16

OPINIÃO | A Cor Púrpura

Rita
Título: A Cor Púrpura Autor: Alice Walker Ano de Publicação: 1986 Editora: Círculo de Leitores   A Cor Púrpura conta-nos a história de Celie, que no início do livro é uma menina de 14 anos. Celie é abusada sexualmente pelo pai, com quem tem dois filhos e que a obriga a casar-se com um homem de quem não gosta e que a trata mal. O livro aborda vários temas alguns muito fortes: o racismo, o machismo, a violência e as carências educacionais das mulheres. Achei (...)
16.01.16

OPINIÃO | A Máquina de Fazer Espanhóis

Rita
  Título: A Máquina de Fazer Espanhóis Autor: Valter Hugo Mãe Ano de Publicação: 2010 Editora: Alfaguara   Este foi o primeiro livro que li escrito pelo autor Valter Hugo Mãe. Nesta obra o autor conta-nos a história do senhor António Silva, um octagenário que vai para um lar após a morte da sua mulher, Laura. Valter Hugo Mãe tem uma escrita refinada e apaixonante, conseguimos criar a imagem que o autor descreve mas o que mais me espanta é a forma como consegue tocar o (...)