Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Seg | 04.09.17

OPINIÃO | O Retrato de Dorian Gray

Rita

Dorian.PNG 

Tí­tulo: O Retrato de Dorian Gray

Autor: Oscar Wilde

Ano da primeira publicação: 1891

Editora: Relógio d'Água

 

Não sou crítica, não tenho qualquer espécie de formação em literatura, arrisco dizer que percebo tanto de literatura como de culinária, e do segundo não pesco nada. Se há coisa que tenho percebido é que me é muito difícil escrever sobre estes livros, mais do que sobre os outros. E o que são estes livros, perguntaram vocês? São livros maiores, que todos os leitores conhecem, porque já leram ou ouviram falar, cuja grandeza é inquestionável. Tenho tanta dificuldade em encontrar as palavras adequadas e demasiado receio de revelar mais do que me pedem, que acabo por praticamente não falar sobre o livro.

 

Antes de tentar deixem-me contar-vos a minha relação com O Retrato de Dorian Gray, foi-me oferecido quando ainda era uma adolescente. Tentei lê-lo na altura. Não tendo ido além da página 40, devolvi-o à estante e decidi que voltaria a tentar uns anos mais tarde. Passaram 12 anos quando senti que estava pronta para experimentar, 12 anos depois O Retrato de Dorian Gray não é mais o bicho papão da minha estante, é sim, um dos meus clássicos preferidos.

 

Dorian Gray é nos apresentado como um jovem doce e ingénuo, possuidor de uma beleza invulgar. A personagem Dorian Gray sofre transformações constantes ao longo do livro, em grande parte derivado da influência daqueles que o rodeiam. Para Dorian Gray apenas a beleza e a juventude interessam.

Basal é o artista que imortaliza num retrato as duas características que Dorian mais valoriza, tornando-se co-responsável pela desgraça de Dorian.

A vida é uma questão de nervos, fibras e células lentamente construídas nas quais o pensamento se esconde e a paixão tem os seus sonhos.

É sabido que Oscar Wilde foi um influente escritor e crítico social pelo que seria de prever a presença de uma forte componente crítica nas suas obras. Em O Retrato de Dorian Gray, o autor presenteia o leitor com diversas reflexões sobre a sociedade inglesa do século XIX, particularmente a sobrevalorização da aparência e a consequente futilidade e hipocrisia da sociedade.

 

Para mim, a complexidade das personagens (a de Dorian em particular) são o ponto forte desta obra e motivo mais do que suficiente para que O Retrato de Dorian Gray tenha entrado para o topo da minha lista dos melhores clássicos de sempre! Só me arrependo de não o ter lido mais cedo...

 

Classificação no Goodreads: 5/5 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.