Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Claro como a água

Qua | 15.06.16

OPINIÃO | O Banqueiro Anarquista e Outros Contos Filosóficos

WP_20160615_001.jpg

 

Título: O Banqueiro Anarquista e Outros Contos Filosóficos

Autor: Fernando Pessoa

Ano de publicação: 2014

Editora: Luso Livros

 

Esta obra é composta por vários contos da autoria de Fernando Pessoa, o conto principal O Banqueiro Anarquista ocupa cerca de metade do livro, seguindo-se outros contos filosóficos: Na Farmácia do EvaristoNo Jardim de Epíteto, Um grande português, A Pintura do Automóvel, Na Floresta do Alheamento e A Hora do Diabo.

 

Estes contos foram encontrados na casa de Fernando Pessoa alguns dias após a sua morte, em Dezembro de 1935, juntamente com outros trabalhos: poemas, diários, peças e projectos literários inacabados. Desta descoberta já foram publicados vários trabalhos sendo O Livro do Desassossego o mais conhecido e o mais importante.

 

O conto O Banqueiro Anarquista é destacado no título do livro por ser o conto mais extenso e de maior relevância desta compilação de contos. Como pode um Banqueiro, o símbolo do capitalismo, ser um anarquista? Não é nenhum trocadilho, a genialidade de Pessoa consegue justificar esta aparente contradição através de uma cuidada e profunda fundamentação. Concordando ou não com a tese de Pessoa, há que reconhecer que esta obra transforma qualquer leitor num filósofo, quanto mais não seja por nos fazer pensar. Este banqueiro, revoltado com as desigualdades sociais, diz-nos que "a liberdade para todos só pode vir com a destruição das ficções sociais". As ideias deste banqueiro para conseguir "libertar-se da sociedade" são no mínimo originais, mas de Pessoa não se espera menos do que a genialidade.

 

Os restantes contos são bastante curtos, Pessoa oferece-nos de tudo um pouco: contos filosóficos, políticos, alguns cómicos e até um monólogo. Gostei bastante d' O Banqueiro Anarquista, é talvez o meu preferido dos contos aqui apresentados. Outro de que gostei bastante foi o conto Na Floresta do Alheamento, um monólogo existencial sobre a sensação e a razão, protagonizado por um homem que se vê perdido numa floresta.

 

Fica a dica para os interessados, podem descarregar a versão digital desta e de outras obras portuguesas em https://www.luso-livros.net/ (é legal e gratuito). Já não há desculpa para não ler os clássicos portugueses.

 

Classificação no Goodreads: 3/5 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.