Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Claro como a água

19
Abr18

OPINIÃO | Nunca me deixes

Never Let Me Go.png 

Título: Nunca me deixes

Autor: Kazuo Ishiguro

Ano da primeira publicação: 2005

Editora: Gradiva

 

Nunca me deixes é um dos livros mais lidos do prémio Nobel Kazuo Ishiguro. Parti para esta leitura sem nada saber, sem ter lido a sinopse, nem opiniões de outros leitores, como faço frequentemente. Escolhi este livro apenas por querer conhecer o autor, premiado e bastante elogiado. A deceção começou ao fim de algumas páginas, quando percebi que o livro era um misto de distopia e ficção-científica, dois estilos que evito ler.

 

Kathy, Ruth e Tommy são três amigos que crescem num colégio interno que os protege do mundo exterior e os educa com um propósito específico, que não pretendo revelar. A história é nos contada pela perspetiva de Kathy através de constantes viagens ao passado que, confesso, me deixaram um pouco perdida principalmente na parte inicial.

 

Com o virar de mais algumas páginas lá me fui sentindo menos perdida e começava mesmo a ficar empolgada com o cenário alternativo criado pelo autor. Entusiasmo no auge e uma vontade imensa de perceber como ia o autor conduzir esta história e eis que chega a terceira e última parte do livro e o entusiasmo esmorece. A personagem principal com a qual cheguei a criar alguma empatia, revela-se uma mulher muito fraca com atitudes inexplicáveis. E se a coisa já não estava famosa, à medida que me aproximava do final comecei a sentir que faltavam peças ao puzzle e a deceção apoderou-se de mim.

 

A escrita do autor é bonita, no entanto o uso constante e propositado de uma expressão particular, que remete para o início da história, foi deveras irritante. Esta leitura valeu pelo incentivo à reflexão sobre a vida e o comportamento humano, conseguido através do cenário construído pelo autor mas também de algumas passagens como esta:

 

You're always in a rush, or else you're too exhausted to have a proper conversation. Soon enough, the long hours, the traveling, the broken sleep have all crept into your being and become part of you, so everyone can see it, in your posture, your gaze, the way you move and talk.

 

 

Classificação no Goodreads: 3/5

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Ler


goodreads.com

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Género

*

Tamanho

*

Autores Lidos