Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Claro como a água

Qua | 06.12.17

OPINIÃO | As Oito Montanhas

Rita

AsOitoMontanhas.jpg 

Título: As Oito Montanhas

Autor: Paolo Cognetti

Ano da primeira publicação: 2016

Editora: Dom Quixote

 

As Oito Montanhas foi-me descrito, pela minha amiga Leonor, como um livro maravilhoso que fala sobre a vida, sobre a amizade, uma leitura ternurenta e bastante curta. Tive que experimentar para perceber que teria de concordar com a Leonor.

 

O autor da obra é Paolo Cognetti, um escritor italiano que, após 15 anos de carreira e uma viagem pelos Alpes, alcança finalmente a fama com um romance sobre a amizade e a montanha. Ao longo das cercas de 220 páginas, conhecemos paisagens incríveis que servem de pano de fundo a uma amizade que perdura para a vida.

 

Pietro, Bruno e as montanhas são o centro desta história. Pietro é um rapaz que descobriu, pela mão do seu pai, a amar a montanha e a render-se aos seus encantos. Bruno é um rapaz que passa os dias na montanha a pastar as vacas do tio. Pietro e Bruno conhecem-se na infância durante o verão em que os pais de Pietro alugam uma casa na aldeia de Grana, perto do Monte Rosa, para que o pai de Pietro possa praticar alpinismo. É na montanha que Pietro cria e fortalece laços não só com o amigo Bruno mas também com o pai. O destino ditou que Pietro e Bruno seguissem percursos diferentes, se o primeiro preferiu a cidade, o segundo nunca saiu da montanha.

 

Se o momento em que imerges num rio é o presente, pensei, então o passado é a água que te ultrapassou, a que vai para baixo e já não é nada para ti, enquanto o futuro é a água que vem de cima, trazendo perigos e surpresas. O passado é a jusante, o futuro é a montante (...) seja o que for o destino, habita nas montanhas que temos acima da cabeça.

 

A escrita do autor é maravilhosa, o que facilita a leitura e aumenta a satisfação do leitor. Ainda assim, foram características como o simbolismo que o autor coloca nas imponentes montanhas, enquanto cenários de tranquilidade e pano de fundo para uma viagem de auto-conhecimento; a melancolia e a tristeza presentes em toda a obra que me levaram a concordar com a minha amiga Leonor. Recomendo muito!

 

Classificação no Goodreads: 4/5