Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Claro como a água

Ter | 22.03.16

OPINIÃO | A Desumanização

Sem Título.png 

Título: A Desumanização

Autor: Valter Hugo Mãe

Ano da primeira publicação: 2013

Editora: Porto Editora

 

"Quando nasci já o meu irmão Casimiro havia falecido. Durante a infância imaginava-o à minha imagem, um menino crescendo como eu, capaz de conversar comigo partilhando os mesmos interesses. Sabia embora, que estava deitado sob a terra, e pensava que a palavra coração era da família da palavra caroço, uma semente. Achava que os meninos mortos faziam nascer pessegueiros porque os pêssegos tinham pele. O primeiro pêssego que comi foi em idade adulta."

 

Este excerto faz parte da nota do autor ao livro e revela o ponto de partida para esta obra brilhante. O autor dedica a obra ao irmão falecido que nunca chegou a conhecer, mas que o acompanhou e cresceu consigo no seu imaginário infantil.

 

A Desumanização é o terceiro livro que leio de Valter Hugo Mãe e uma vez mais o autor fala-nos da vida, da morte e do sentimento de perda, como tão bem soube fazer nos outros dois livros que li: A Máquina de Fazer Espanhóis e O Filho de Mil Homens.

 

A narradora desta história é também a protagonista, Halldora, uma menina de 12 anos, que vive nos fiordes islandeses, que perdeu a sua irmã gémea, Sigridur, e que é obrigada a tornar-se mulher para sobreviver à morte que deixou muito pouco. Halldora cresce no seio de uma família despedaçada, sem orientação, com um pai esvaziado e uma mãe que o sofrimento tornou cruel. 

 

"Mais tarde, também eu arrancarei o coração do peito para o secar como um trapo e usar limpando apenas as coisas mais estúpidas."

 

"Lembrei-me do que a Sigridur me confessara. Que talvez a morte fosse inteligência. Consciência absoluta e inteligência. Uma coisa boa. A morte haveria de ser uma coisa boa. Feliz. Haveria de ser feliz."

 

Esta é uma história dramática mas não apenas mais uma, é uma história de Valter Hugo Mãe como só ele poderia ter escrito, pois são poucos os que conseguem criar beleza com tanta tristeza e tão pouca esperança.

 

Gostei muito e sinto que vou ficar com uma ressaca literária bem grande. Não acho que seja um livro para todas as pessoas mas Valter Hugo Mãe é mesmo isto. Recomendo!

 

Classificação no Goodreads: 5/5

 

2 comentários

Comentar post