Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Sex | 30.03.18

Ler João Tordo

Rita

JoãoTordo.jpg

Fonte: vcoragem.com

Breve biografia

João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. Formou-se em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa, tendo também estudado Jornalismo e Escrita Criativa em Londres e Nova Iorque.

O seu registo foi influenciado por nomes como José Saramago, Paul Auster e Herman Melville.

O seu primeiro romance intitulado O Livro dos Homens sem Luz foi publicado em 2004, em 2009 recebeu o Prémio Literário José Saramago por As Três Vidas. Esteve nomeado e foi finalista de vários outros prémios.

Em 2015 publicou o primeiro volume da Triologia dos Lugares Sem Nome composta por: O Luto de Elias Gro (2015), O Paraíso Segundo Lars D. (2016) e O Deslumbre de Cecilia Fluss (2017). A sua mais recente obra, Ensina-me a Voar sobre os Telhados, foi publicada este mês tendo entrado de imediato para os tops de vendas nacionais. 

 

A minha experiência

De João Tordo li O Luto de Elias Gro, Biografia Involuntária dos Amantes, O Paraíso Segundo Lars D. O meu preferido foi, sem dúvida, O Luto de Elias Gro.

De João Tordo quero ler pelo menos O Deslumbre de Cecilia Fluss e Ensina-me a Voar sobre os Telhados.

João Tordo é um dos escritores portugueses da atualidade que mais admiro. A sua escrita, bastante descritiva e envolvente, para além de prender o leitor do início ao fim da obra, toca-nos o coração, chega onde poucos escritores conseguem chegar. As personagens que constrói têm personalidade e carregam sempre um peso à qual associo a perda, dor ou vazio. Se tivesse que identificar pontos fortes seriam a escrita e as personagens. João Tordo poderá ser a aposta certa para aqueles leitores que fogem da literatura portuguesa, estou certa de que não se vão arrepender.

 

Citação

"Sei agora o que nunca soube - que o amor encontra o seu estado mais puro quando julgamos que o fim chegou; finalmente entendo que o amor pode ser precisamente essa ausência, o deixar de estar, ser capaz de apreciar cada minuto da nossa memória como se segurássemos, entre as mãos, um punhado de brasas num deserto de gelo." 

4 comentários

Comentar post