Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Qui | 31.01.19

OPINIÃO | A Boa Filha

Rita

A Boa Filha.JPG

Título: A Boa Filha

Autor: Karin Slaughter

Editora: Harper Collins

Ano de publicação: 2017

 

Em janeiro voltei a ler Karin Slaughter, uma das escritoras que mais aprecio no que se refere a thrillers e que já não lia há muito tempo. A Boa Filha foi o primeiro calhamaço do ano, porque isto de estar por casa tem que ter algum benefício, sempre dá para ler livros maiores que costumo evitar quando leio nos transportes.

 

A Boa Filha traz-nos suspense do início ao fim enquanto andamos para trás e para a frente no tempo na tentativa de finalmente conhecer o contexto em que cada episódio se desenrola. Confesso que esta é a receita certa para um thriller me prender.

E como qualquer thriller ficaria arruinado se falasse muito sobre ele, digo-vos apenas que as personagens desta história são duas irmãs Charlotte e Samantha Quinn que sofreram um trauma horrível quando eram crianças e que 28 anos depois se vêem envolvidas numa nova trama.

Já conhecia a escrita da autora, muito envolvente mas também muito fria. A autora descreve algumas cenas de forma muito crua e realista, o que me deixou frequentemente muito arrepiada e sem palavras.

 

Poderia pensar-se que mais de 600 páginas poderiam trazer algum aborrecimento a esta história, o que não sendo inteiramente mentira não é de todo verdade! Não me passou ainda pelas mãos nenhum livro com mais de 500 páginas em que não tivesse pensado que 100 páginas estavam a mais. Com este livro passou-se isso mesmo. Alguns episódios, não sendo propriamente aborrecidos, pareceram-me palha. Portanto, não há aborrecimento mas sim algumas alterações no ritmo da leitura, ora vamos a uma velocidade estonteante, ora somos forçados a travar abruptamente.

 

Adorei voltar a ler Karin Slaugther. Quais são os vossos livros preferidos da autora?

 

Classificação no Goodreads: 4/5

Ter | 22.01.19

OPINIÃO | Princípio de Karenina

Rita

AC.JPG

 

Título: Princípio de Karenina

Autor: Afonso Cruz

Editora: Companhia das Letras

Ano de publicação: 2018

 

Já não consigo escrever uma opinião sobre um livro do Afonso Cruz sem repetir as seis ou sete opiniões que já escrevi sobre obras suas.

 

Desta vez o autor traz-nos uma dissertação sobre a felicidade, será possível medi-la e quanto tempo dura, sob a forma de carta de um pai à filha que nunca conheceu. Este pai relata a sua vida desde a infância, fala sobre a sua família, a sua fisionomia e de que forma essa condicionou a sua vida e explica-lhe em que circunstâncias conheceu a mãe dela. Um dos pontos diferenciadores desta obra, pontos esses característicos de todas as obras do Afonso Cruz, são as diversas referências a Anna Karenina de Tolstoi. Para aqueles que já tiverem lido esta obra maior do autor russo, essas referências resultam não apenas em pausas na leitura mas em momentos de introspeção e de reflexão sobre a passagem do tempo, os segredos e quase sempre sobre a busca da felicidade. Outro ponto diferenciador da obra são as fotografias que separam as cerca de cinco ou seis partes que constituem a obra.

 

Mas não só de Tolstoi vive este Princípio de Karenina, Afonso Cruz continua a viagem pelo Mundo iniciada em Jalan Jalan, desta feita pelo Vietname e Cambodja, é por lá que o narrador, e também personagem principal desta história, procura encontrar-se e conhecer a sua história.

 

O facto de os figos serem flores que crescem para dentro fez-me concluir duas coisas,

a primeira,

que não precisam do mundo exterior, são como era o meu pai e abominam a barbárie, viram as costas às janelas, ao exterior.

segunda,

são um exemplo de humildade, de modéstia. A flor, que deveriam exibir ao mundo, guardam-na sem qualquer demonstração de vaidade. Os figos não querem saber de elogios e discursos laudatórios (ainda que também não se abram às críticas). OS figos, escrevi no caderno de contas, florescem para Deus, que é o único capaz de admirar o que acontece dentro das coisas sem as partir, sem as matar, sem as destruir.

 

Não dá para destronar Para Onde Vão os Guarda-chuvas, nem tão pouco assumir a posição que Flores tem no meu coração ou mesmo a de Jesus Cristo bebia Cerveja, mas é um livro incrível, diferente de todos os outros mas tão ao jeito de Afonso Cruz.

 

Devia pensar em falar sobre os livros do autor porque já não é fácil arrumá-los no meu coração, está tudo um pouco confuso. O que importa reter é que devem lê-los, se não todos, pelo menos estes três que referi.

 

Classificação no Goodreads: 4/5

Qua | 16.01.19

19 para 2019

Rita

Top 40 Funny Witty Quotes Witty Sayings 4

 

Ora bem, não sou nada destas coisas até porque sou muito boa a não cumprir objetivos que tenha definido  Mas, a Beatriz desafiou-me a criar a minha lista de 19 desejos, objetivos ou ideias a concretizar em 2019. Ora acontece que sou muito melhor a aceitar desafios do que a cumprir objetivos pelo que aqui fica a minha lista como resposta ao desafio. Obrigada, Beatriz!

  1. Ler pelo menos 36 livros
  2. Ler Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez e Americanah de Chimamanda Ngozi Adichie, que já estão na estante há muuuuiiiito tempo
  3. Ler um novo autor por mês
  4. Ler um livro de não-ficção por mês
  5. Ler pelo menos um autor lusófono por mês
  6. Voltar ao projeto "ler autores russos"
  7. Cumprir o orçamento mensal alocado a livros
  8. Dar ou vender os livros que não quero
  9. Escrever posts de opinião sobre todos os livros que for lendo este ano
  10. Escrever no blog todas as semanas do ano
  11. Mudar de casa e sobreviver
  12. Começar uma horta em casa
  13. Diminuir o consumo de alimentos processados
  14. Aprender a aceitar que não posso controlar tudo
  15. Levar a vida com mais calma
  16. Mudar de equipa no trabalho para uma mais alinhada com os meus objetivos profissionais
  17. Fazer pelo menos uma viagem
  18. Melhorar o mau humor matinal
  19. Cumprir pelo menos dois terços destes objetivos
Qui | 10.01.19

Planear Janeiro

Rita

TBR Janeiro.jpg

Comecei janeiro a ler o único livro que recebi no Natal, Becoming, a tão aclamada biografia de Michelle Obama é a minha escolha de não-ficção. Para ler em português escolhi o mais recente romance do querido Afonso Cruz: Princípio de Karenina. A leitura-coragem deste mês é o calhamaço A Boa Filha de Karin Slaighter, que habita na estante desde agosto passado, são cerca de 700 páginas que espero ocuparem boa parte do meu mês de janeiro. Para finalizar o mês conto pegar na obra Atos Humanos da premiada autora Han Kang, dela já li A Vegetariana que recordo ter sido uma surpresa e um misto de sensações.

 

O plano para janeiro são cerca de 1525 páginas de leitura, dada a minha condição neste momento é possível que precise de mais algumas páginas se me fartar dos filmes e séries, veremos.

Qua | 09.01.19

OPINIÃO | Becoming

Rita

Becoming.jpg

Título: Becoming

Autor: Michelle Obama

Editora: Objectiva

Ano de publicação: 2018

 

O livro de Michelle Obama tem sido falado por vários leitores, esgotou em algumas livrarias, li que terá sido o livro mais vendido de 2018, e foi presente de Natal de muitos leitores, grupo onde eu me incluo. Fiz vários choradinhos por este livro até conseguir que o marido o pusesse no sapatinho 

 

O veredicto: este livro não é menos do que eu imaginava! É difícil interessar-me por um livro de não-ficção e quando leio algum tenho sempre receio de o abandonar, mas este, para além de não ter sido abandonado, foi uma ótima surpresa!

 

Este é um livro de memórias de Michelle Obama, memórias muito anteriores aos anos passados na Casa Branca. Nesta obra Michelle começa por abordar a infância vivida na zona sul de Chicago, evidenciando a importância dada pela família à sua educação e início de carreira. Mais tarde Michelle conta-nos como equilibrou as exigência do trabalho com a maternidade e finalmente os anos passados na Casa Branca.

 

Michelle Obama é uma mulher poderosa, defensora de mulheres não só nos Estados Unidos mas também além fronteiras, preocupada com a saúde e o sedentarismo das famílias americanas, as suas iniciativas e os projetos que tem abraçado estão também contemplados neste caderno de memórias. Uma vida muito interessante sob a qual fiquei cada vez mais interessada à medida que ia virando as páginas.

 

Uma leitura fantástica e uma excelente forma de começar 2019! Ideal para quem gosta de ler sobre vidas, sobre famílias, e para quem quer saber mais sobre a experiência de vida daquela que é muito mais do que ex-primeira dama. Recomendo, muito!

 

Classificação no Goodreads: 4/5

Pág. 1/2