Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

Qua | 12.04.17

A digerir o remorso...

Dizia o meu pai, a voz das mulheres só sabe ignorâncias e erros, cada coisa de que se lembrem nem vale a pena que a digam. mais completas estariam, de verdade, se deus as trouxesse ao mundo mudas. só para entenderem o que fazer na preparação da comida e debaixo de um homem e nada mais.

Terminei ontem à noite a leitura de O Remorso de Baltazar Serapião de Valter Hugo Mãe. Está a ser difícil digerir. A forma como a mulher é retratada revolta-me, enraivece-me, fez-me posar o livro demasiadas vezes. Levei quase 3 meses para o ler. Apenas a escrita do autor me fez querer continuar. Ainda assim entristece-me. Preciso de reflectir ou, talvez, esquecer o que li.

Alguém desse lado já leu?

Ter | 11.04.17

OPINIÃO | Stoner

Stoner.jpg 

Título: Stoner

Autor:  John Williams

Ano da primeira publicação: 1965

Editora: Dom Quixote

 

Uma história triste, que à primeira vista não parece ter nada de especial, com personagens aparentemente triviais. Um livro que se devora. Uma escrita que transforma uma história normal em algo mágico!

 

Stoner foi publicado em 1965 e foi distinguido com o prémio melhor livro do ano, pela livraria britânica Waterstones, em 2013. Sim, não foi um erro de escrita, foi mesmo em 2013. Acontece que Stoner caiu no esquecimento, tendo sido recuperado 50 anos depois pela escritora Anna Gavalda. 

 

A história não tem nada de original, são 300 páginas sobre cerca de 50 anos da vida de William Stoner, um professor universitário oriundo de uma família de agricultores com poucas posses, casado com Edith, com quem vive numa casa banal, situada numa cidade como tantas outras. Resumindo, o livro narra uma sucessão de acontecimentos da vida de Stoner, que nada têm de interessantes.

 

Então o que é que o livro tem de especial, perguntam vocês? A narrativa simples mas profunda, trivial mas envolvente. Personagens muito completas. A tristeza, do início ao fim. A vontade de viver. 

Às vezes, imerso em seus livros, vinha-lhe a consciência de tudo que ele não sabia, de tudo que ele não lera. E a serenidade para a qual trabalhava tanto ficava abalada quando se dava conta do pouco tempo que tinha na vida para ler tanta coisa, para aprender o que tinha de saber.

 

Do melhor que podem encontrar nas livrarias, do que estão à espera para o ler?

 

Classificação no Goodreads: 4/5