Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

Qua | 07.09.16

OPINIÃO | A Menina Que Fazia Nevar

WP_20160823_002.jpg 

Título: A Menina Que Fazia Nevar

Autor: Grace McCleen

Ano de publicação: 2014

Editora: Editorial Presença

 

Esta é uma história contada por Judith McPherson, uma menina de 10 anos. Como todas, ou quase todas, as histórias narradas por crianças, o ambiente é ternurento e quase sempre nostálgico. A Menina Que Fazia Nevar não é excepção.

Judith é uma menina doce, apesar de todas as adversidades que tem enfrentado, tem uma relação distante e complicada com o pai (um religioso fervoroso), a mãe morreu e Judith sofre de bullying na escola. São os dias tristes e solitários de Judith que a levam a criar a Terra de Leite e Mel e a dar asas à imaginação.

 

Algumas das temáticas abordadas são invulgares, como é o caso da devoção religiosa levada ao extremo, foi esta temática que me levou a pegar no livro. A história criada pela autora é mesmo muito interessante e vale a pena aprender algumas coisas com a pequena Judith e o seu pai.

 

Porquê "apenas" 3 estrelas? Porque apesar de interessante, a história não foi bem conseguida: 1) não consegui criar grande empatia com as personagens, mesmo com a própria Judith, lembro-me inevitavelmente de Scout Finch de Mataram a Cotovia e digo-vos que não há comparação possível; 2) fiquei com a sensação de que o livro foi escrito por várias pessoas, alguns capítulos estavam muito bons enquanto outros estavam demasiados estranhos (e talvez mal escritos); 3) a autora caracterizou os religiosos fervorosos desta história como se estivesse a caracterizar o próprio diabo. Confesso que esperava mais deste livro.

 

O final deixou-me perplexa, triste e com dúvidas sobre a intenção da autora. Não creio que seja um livro para todos os leitores mas penso que os curiosos irão apreciar esta história. Não há como experimentar.

 

Classificação no Goodreads: 3/5

Seg | 05.09.16

De volta à realidade

Voltei! O blog esteve em piloto automático durante as últimas duas semanas e eu estive afastada de tudo, pelo menos assim parece.

 

Alguns minutos após "voltar" à realidade, descobri que vai ser publicado no dia 20 de Setembro um livro de contos ou pequenos textos de 8 autores portugueses. O desafio foi lançado pela Ordem dos Psicólogos para comemorar os seus 20 anos, os contos abordam a fronteira entre a sanidade mental e a loucura, entre a normalidade e a doença psíquica. Para além da temática super interessante, fiquei fascinada quando vi quem são os 8 fantásticos: Afonso Cruz, Dulce Maria Cardoso, Gonçalo M. Tavares, Joel Neto, Maria Teresa Horta, Nuno Camarneiro, Patrícia Reis e Richard Zimler. Esta compilação de contos denominada Uma dor tão desigual vai ser publicada pela editora Teorema e já está na minha lista.

 

 

Em Outubro a Porto Editora irá publicar o novo romance de Valter Hugo Mãe. O autor que está a comemorar 20 anos de vida literária escolheu o Japão para cenário do romance Homens imprudentes.

 

Parece que na inauguração da Feira do Livro do Porto o Presidente da República recomendou ao Primeiro-Ministro e a Passos Coelho a leitura das obras de Elena Ferrante. Se ainda não leram, mesmo após a minha insistência, oiçam o Presidente.

 

Em Novembro será publicado o último volume da saga escrita por Carlos Ruiz Zafón. Aos primeiros três volumes: A Sombra do Vento (2001), O Jogo do Anjo (2008) e O Prisioneiro do Céu (2011) seguir-se-á El Laberinto de los Espíritus. Estou com tanta vontade de reler os três primeiros volumes!

 

 

Um grande clássico juvenil será publicado pela Guerra & Paz e integrará a colecção de clássicos da editora, refiro-me  à obra As Mulherzinhas de Louisa May Alcott.

 

 

Não tenho lido tanto estas férias como leio habitualmente, terminei a leitura de A Menina Que Fazia Nevar de Grace McCleen e li As Serviçais de Kathryn Stockett, vou publicar a minha opinião aqui no blog durante os próximos dias. Estou actualmente a ler A Gramática do Medo de Maria Manuel Viana e Patrícia Reis, está a ser surpreendentemente bom mas acho-o demasiado pesado para ler nas férias. Depois deste talvez tenha de pegar em algo mais leve para aguentar o resto da semana de descanso.

 

E vocês, já voltaram à realidade? Como vão essas leituras?

Qui | 01.09.16

LEITURAS DO MÊS | Agosto

Agosto mês de férias para uns, de regresso ao trabalho para outros. 

Em Agosto li o mesmo número de livros que li em Julho mas a qualidade foi menor:

 

9 livros

2 ebooks

1 de autores lusófonos

7 livros de autores que nunca tinha lido

3 clássicos da literatura 

 

Imagem1.png

 

Podem consultar aqui no blog a minha opinião sobre os livros do mês de Agosto, excepto os últimos dois, assim que regressar de férias actualizo os posts de opinião.

Jesusalém de Mia Couto - 4/5

Pines de Blake Crouch - 3/5

O Último Livro de Zoran Živković - 2/5

O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie - 3/5

Pássaros Feridos de Colleen McCullough - 5/5

O Velho e o Mar de Ernest Hemingway - 3/5

O Amante de Marguerite Duras - 4/5

A Menina Que Fazia Nevar de Grace McCleen - 3/5

As Serviçais de Kathryn Stockett - 5/5

 

Livro de que mais gostei: As Serviçais de Kathryn Stockett

Livro de que menos gostei: O Último Livro de Zoran Živković

 

Em Agosto não comprei nenhum livro mas como é o mês do meu aniversário, recebi 4. O número de livros por ler na estante aumentou de 30 para 31, mas desta vez a culpa não foi minha!

 

Como foram as vossas leituras de Agosto?

 

Boas leituras!

Pág. 3/3