Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

Sab | 23.04.16

PASSATEMPO | Dia Mundial do Livro

Como por aqui só se fala e escreve sobre livros, tinha de marcar o dia de alguma forma. Assim sendo vou sortear um livro sobre livros: Os Livros que Devoraram o Meu Pai do escritor português Afonso Cruz

 

Os Livros que Devoraram o Meu Pai

 

As regras para participar no passatempo são simples:

- colocar gosto na página do facebook do blog

- comentar o post do passatempo no facebook com as respostas às seguintes questões:

  1. Quantos livros costuma ler por ano?
  2. Qual o livro que está a ler neste momento?
  3. Prefere livro físico ou ebook?
  4. Qual o livro que recomendaria a um amigo?

 

O passatempo termina no dia 1 de Maio de 2016 e o vencedor será anunciado aqui no blog e contactado via mensagem privada no facebook.

 

Boa sorte e feliz Dia do Livro!

Sab | 23.04.16

OPINIÃO | Nunca se morre por inteiro

Nunca se morre por inteiro

 

Título: Nunca se morre por inteiro

Autor: Gonçalo S. Neves

Ano da primeira publicação: 2016

Editora: Capital Books

 

Tive conhecimento deste livro através do Goodreads, desconhecia a obra e o autor, talvez porque o Gonçalo S. Neves é um jovem escritor português e Nunca se morre por inteiro é a sua primeira obra.

 

Este livro é uma compilação de vários textos - histórias fictícias, crónicas, pensamentos e devaneios - que o autor foi escrevendo ao longo de cinco anos, entre 2011 e 2015. As temáticas abordadas ao longo dos textos são diversas mas nota-se um fascínio particular do autor em escrever sobre a morte e a vida, o ódio e a paixão.

 

Ao longo do livro encontramos vários tipos de texto, desde narrativas a poemas. Na minha opinião a escrita do Gonçalo é propícia a isso mesmo, a sua prosa-poética soa como música aos ouvidos do leitor, enquanto que a simplicidade e emoção que coloca na escrita tornam a leitura muito fluida. Encontrei frases lindíssimas ao longo dos textos, guardei algumas que quero partilhar aqui no blog.

 

Falando do livro em si, confesso que enquanto lia as primeiras páginas pensei que ia ser uma leitura monótona, pareceu-me que o autor se estava a repetir e temi perder o interesse. Leitores assíduos do blog sabem que demasiada paixão e amor não me prendem por aí além enquanto leitora. Também por isso fiz algumas pausas entre os textos, queria perceber até que ponto não estava a dar ao livro a atenção e o tempo que ele necessita. Foi após ter lido cerca de trinta páginas que percebi que este é um livro para ser saboreado aos poucos e não devorado numa tarde.

 

 

Sex | 22.04.16

OPINIÃO | Os Enamoramentos

WmDev_635969214965861811.jpg

  Título: Os Enamoramentos

Autor: Javier Marías

Ano da primeira publicação: 2011

Editora: Alfaguara

 

O meu primeiro contacto com o Javier Marías foi com a obra Coração tão Branco. Gostei muito da escrita, decidi que tinha de ler mais e como tinha Os Enamoramentos na estante, foi o que se seguiu. Esta edição limitada da Alfaguara foi-me oferecida recentemente, é uma edição de capa dura e com dimensões semelhantes às de um livro de bolso, muito jeitosinha!

 

Não me apaixonei por Os Enamoramentos como havia acontecido com Coração tão Branco mas ainda assim gostei bastante desta leitura e agora posso dizer que não foi sorte, Javier Marías é mesmo um grande escritor! O que mais gosto na sua escrita é a forma como o autor aborda assuntos que à partida não teriam grande importância, pequenas coisas sobre as quais ninguém escreve. Javier Marías tem a capacidade de escrever páginas e páginas sobre tudo e sobre nada, tendo preferência em dissertar sobre a morte e sobre o amor/paixão, e desta forma proporcionar ao leitor muitos momentos de reflexão.

Identifico muitas semelhanças entre estas duas obras do autor, desde a referência e dissertação acerca da morte e do sentimento de perda, bem com a alusão a Macbeth de Shakespeare e aos Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas.