Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

19
Jan17

OPINIÃO | A Luz Entre Oceanos

6tag_190117-092552.jpg 

Título: A Luz Entre Oceanos

Autor: M.L. Stedman

Ano da primeira publicação: 2012

Editora: Editorial Presença

 

 

A Luz entre Oceanos foi a minha primeira leitura bipolar do ano! Passo a explicar.

 

A acção de A Luz entre Oceanos decorre em 1926 e foca-se na vida do casal Sherbourne. Tom Sherbourne é o faroleiro de Janus Rock, uma ilha ao largo da costa oeste australiana, onde vive isolado com a sua mulher Isabel Sherbourne. Inicialmente a autora dá-nos a conhecer a vida das duas personagens antes de se conhecerem, mas a maior parte dos acontecimentos relatados ocorreram após o casamento dos dois, e em particular após Tom e Isabel irem viver para a ilha.

À medida que o tempo passa (e as páginas também), a solidão e infelicidade vão-se apoderando do casal, que continuam a tentar ter um filho e a visitar o continente muito esporadicamente. É por esta altura que chegamos ao ponto de viragem, quando um pequeno barco chega a Janus Rock.

 

Achei esta primeira parte do livro, até à chegada do barco à ilha, um pouco entediante, sabia que algo estava para acontecer mas nunca mais chegava à página do acontecimento! Quando aconteceu foi a euforia, não queria parar de ler. Algumas páginas à frente entrei novamente numa fase aborrecida e sem grande interesse. E depois a euforia novamente! E entretanto chegamos ao final, que eu não vou revelar se foi de aborrecimento ou euforia.

 

Há qualquer coisa na escrita da autora que dificultou a leitura e a minha percepção. Não tenho aversão a passagens demasiado descritivas, desde que tenham fundamento e o autor consiga manter-nos focado nas suas palavras, este tipo de passagens é a cereja no topo do bolo. Neste caso parece-me que foi aí que a autora não esteve tão bem, e foi esse o motivo que me fez perder o interesse e até sentir aborrecimento em alguns momentos.

 

Gostei dos temas que a autora abordou e da forma como leva o leitor a reflectir acerca do comportamento humano, do amor genuíno, dos laços que criamos com os outros e da dor de perder alguém. Este ponto juntamente com a construção das personagens são para mim os pontos fortes da obra e os motivos que me levam a afirmar que gostei muito desta leitura (ainda que bipolar).

 

O livro deu origem a um filme que estreou recentemente em Portugal. Já ouvi dizer que é um dos poucos casos em que o filme consegue ultrapassar o livro. Assim que vir o filme partilho a minha opinião, até lá podem sempre passar os olhos pelo livro.

 

Classificação no Goodreads: 4/5

17
Jan17

OPINIÃO | A Partir de Uma História Verdadeira

6tag_170117-092605.jpg 

Título: A Partir de Uma História Verdadeira

Autor: Delphine de Vigan

Ano de publicação: 2016

Editora: Quetzal Editores

 

A Partir de Uma História Verdadeira relata uma fase particularmente difícil da vida de Delphine, a personagem principal. Delphine é escritora e a partir do momento em que conhece L. deixa progressivamente de conseguir escrever. Tive alguma dificuldade em escrever sobre este livro, talvez por estar um pouco irritada com o comportamento de Delphine, mas principalmente por esperar um final diferente, ou devo antes dizer mais completo.  

 

Este é aquele tipo de livro onde a ficção se mistura com a realidade, não fosse Delphine o nome da autora e da personagem principal. É um livro intenso, de auto-descoberta e que nos transporta para a mente de Delphine. Somos levados a questionar e reflectir acerca da identidade das personagens, da sua ingenuidade e até da forma como o medo condiciona a nossa vida. Não sendo uma história com muita acção nem com grandes reviravoltas, acabou por se revelar uma leitura intensa, e a verdade é que devorei o livro em pouco tempo.

 

Foi o primeiro livro que li da autora Delphine de Vigan, penso até que este é o único livro publicado em Portugal, não fazendo a mais pequena ideia do que ia encontrar. Também não procurei opiniões sobre o livro, pelo que parti para esta leitura sem grandes expectativas. Acabei por ser surpreendida pela escrita delicada da autora, simples mas deliciosa.

 

Recomendo esta leitura aos apreciadores de romance psicológicos. Delphine de Vigan é uma autora para manter debaixo de olho!

 

Classificação no Goodreads: 4/5

 

05
Jan17

OPINIÃO | Viver Sem Ti

6tag_050117-111638.jpg

Título: Viver Sem Ti

Autor: Jojo Moyes

Ano de publicação: 2016

Editora: Porto Editora

 

Viver Sem Ti é a sequela de Viver Depois de Ti, o tão aclamado livro de Jojo Moyes, que até já virou filme. Se bem se lembram, Viver Depois de Ti foi uma leitura arrepiante, um turbilhão de emoções, um livro que contém também uma componente mais racional. Incita à reflexão sobre variados temas como a importância das ligações que criamos com os outros, o impacto que os que nos rodeiam têm sobre nós mas, principalmente, sobre o direito de escolha que cada pessoa deve ter sobre a sua própria vida.

 

Bom, depois de um primeiro livro arrebatador que vendeu milhões de exemplares, vem a ambição, o querer mais e a vontade de arriscar e faz-se um livro, na minha opinião, medíocre e desnecessário. 

 

Louise, a personagem principal que conhecemos no livro anterior, outrora admirável e intrigante, perdeu toda a piada. As novas personagens não me convenceram, uma delas é até tão irritante que me deu vontade de largar o livro antes de o terminar. A história revela-se um cliché, previsível e demasiado fictícia. Senti que a ligação que a autora conseguiu criar, no primeiro livro, com os leitores desvaneceu, talvez pelas personagens supérfluas e os seus comportamentos (quase sempre) estúpidos.

 

Se leram Viver Depois de Ti é natural que estejam intrigados acerca da falsa continuação da história, foi o que se passou comigo. Este segundo volume dá para entreter e passar o tempo, mas não adiciona qualquer valor face ao que foi escrito no volume anterior, tornando-se um livro irritante e um desperdício de tempo.

 

Classificação no Goodreads: 2/5

 

30
Dez16

OPINIÃO | Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Wook.pt - Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

 

Título: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada

Autor: J. K. Rowling, John Tiffany e Jack Thorne

Ano de publicação: 2016

Editora: Editorial Presença

 

Muito já foi dito e escrito acerca do mais recente livro da saga Harry Potter, por isso tentarei que este post seja curto.

Levei algum tempo a perceber se queria ler este livro por recear uma desilusão. Tive até de gerir expectativas por me ter apercebido da decepção de muitas das pessoas que já tinham lido o livro, esse descontentamento foi bem evidente principalmente no Goodreads.

 

Ora e o que é que eu achei disto tudo? Resumidamente é isto: se não fosse um livro com personagens do universo Harry Potter, incluindo o próprio, seriam 2 estrelas; mas como se trata do Harry, do Ron, da Hermione e daquele ambiente mágico tão fantástico e maravilhosamente bem construido, são 4 estrelas. Não gostei da estrutura, guiões de peças de teatro não é bem a minha onda. Não gostei da forma superficial como os autores exploram as personagens. Não gostei das lacunas espaciais e temporais. Não gostei das alterações que os autores fizeram ao nível das personalidades de personagens como o Harry e a Hermione, em diversos momentos nem os reconheci.

 

Do que é que eu gostei afinal? De me perder neste mundo mágico. De ter regressado à adolescência, quando vibrava ao ler os livros da saga. Mas principalmente, de me ter conseguido abstrair da realidade enquanto lia este livro, e isso não acontece frequentemente.

 

Caso sejam publicados novos livros da saga, pretendo lê-los? Siiiiim!

 

Classificação no Goodreads: 4/5

29
Dez16

OPINIÃO | Os 3 Casamentos de Camilla S.

6tag_291216-172140.jpg 

Título: Os 3 Casamentos de Camilla S.

Autor: Rosa Lobato de Faria

Ano da primeira publicação: 1997

Editora: Leya

 

Os 3 Casamentos de Camilla S. é o primeiro livro de Rosa Lobato de Faria que me passa pelas mãos (e olhos). Foi uma compra por impulso numa altura em que procurava um livro diferente do que costumo ler. 

 

Fiquei surpreendida com a escrita da autora, muito simples e suave mas com uma pitada de poesia que a torna encantadora. Esperava algo mais descritivo e pesado, tinha claramente a ideia errada. Entretanto já fui pesquisar outras obras da autora, pretendo explorar ainda mais a literatura portuguesa e Rosa Lobato de Faria fará certamente parte da lista.

 

Este romance reúne várias entradas do diário de Camilla, desde a sua infância até aos seus noventa anos, funcionando como autobiografia. Queria escrever um pouco mais sobre a história mas não vejo como fazê-lo sem contar demasiado. Já devem ter percebido que a Camilla se casa três vezes, o título é bastante sugestivo a esse nível, mas não vou adiantar pormenores. Tive algumas dificuldades em perceber se gostei da personagem Camilla, comecei por gostar da sua personalidade forte, mas não compreendi algumas atitudes e percebi que temos opiniões distintas acerca de diversos pontos.

 

Se há algo que quero realçar acerca da experiência que foi ler Os 3 Casamentos de Camilla S. é a ligação que a autora cria com o leitor, ou talvez deva antes escrever: com a leitora. Um pouco ao jeito de Elena Ferrante (por favor não elevem demasiado as expectativas ao ver o nome Elena Ferrante metido ao barulho!), também Rosa Lobato de Faria consegue levar o leitor a rever-se nas suas personagens, mostrando dominar o universo feminino e conseguindo assim criar uma relação especial com o leitor.

 

 

"Na tua barriguita e na de todas nós, mujeres, há um baguito de romã que amadurece e Deus manda os seus anjos fazerem o ninho onde pode ser deixada uma semente. Se a semente não vem, o ninho se desmancha e suas penas de sangue deixam o corpo da mulher. E outra lua e outro nido e lua atrás de lua e mês atrás de mês e nido atrás de nido, até que a semente venha fecundar o bago de romã. E assim se forma um fruto de vida que ganhará coração e mãos e tudo. E será um menino ao fim de nove luas. Quando a boca do teu corpo expelir pela primeira vez sangue abandonado, serás (que alegria) mujer, (que tristeza) mujer..."

 

 

Agora que já passaram alguns dias desde que terminei a leitura é que me apercebo de que não me recordo bem das personagens nem da história em sim, o que ficou desta leitura foi mesmo a escrita da autora e a ligação que consegue criar com o leitor. Rosa Lobato de Faria já faz parte dos meus planos para 2017!

 

Classificação no Goodreads: 4/5

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

WOOK - www.wook.pt

A Ler


goodreads.com

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D