Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

28
Abr17

A ler...

3.jpg

 

Terminei há três dias a leitura de A Gorda de Isabel Figueiredo, com tanto alarido à volta do livro não esperava uma leitura assim-assim, para mim foram 3 estrelas. Conto publicar o post de opinião durante o fim-de-semana.

 

Em paralelo comecei a ler o livro de contos Sonhos Azuis pelas Esquinas do Ondjaki, um livro muito curto mas reconfortante. Não sendo um livro que queira ler de uma assentada, peguei em Anúncio de um Crime da Agatha Christie para me entreter nas viagens até ao trabalho, é o meu primeiro livro com a personagem Miss Jane Marple e estou a achar a senhora maravilhosa! Entretanto, durante um ataque de gula literária, comecei a ler A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera, naquela de "só vou ver como é porque não aguento esperar até terminar o que estou a ler", mas não consegui resistir. Foi assim que a situação se descontrolou...

 

E vocês, o que estão a ler?

26
Abr17

OPINIÃO | O Remorso de Baltazar Serapião

 

VHM.jpg 

Tí­tulo: O Remorso de Baltazar Serapião

Autor:  Valter Hugo Mãe

Ano da primeira publicação: 2006

Editora: Porto Editora

 

Duas semanas volvidas e algumas ideias mal arrumadas e eis que se formou uma espécie de opinião acerca do livro O Remorso de Baltazar Serapião do escritor português Valter Hugo Mãe. 

 

A acção deste romance desenrola-se na idade média e começa assim:

 

A voz das mulheres estava sob a terra, vinha de caldeiras fundas onde só o diabo e gente a arder tinha destino. a voz das mulheres, perigosa e burra, estava abaixo do mugido e atitude da nossa vaca, a sarga, como lhe chamávamos.

 

O protagonista desta história é Baltazar Serapião, um homem igual aos outros, educado segundos os princípios e valores da época, instruído de que Ermelinda, a sua mulher, apenas existe para o servir e, portanto, encontra na violência e agressão a melhor forma de expressar o amor que sente por ela.

 

Não é um livro bonito nem de fácil leitura, não pela escrita, essa é toda aquela maravilha que por aqui já escrevi, mas antes pelo conteúdo. Não gostei das personagens, acho que a sarga é a única que se safa.

 

Levei alguns dias a reflectir sobre esta leitura por ter sido uma experiência demasiado emotiva e revoltante. Quis deixar que a raiva desaparecesse e que as ideias assentassem, mas a raiva não desapareceu. Penso que isto poderia ter resultado muito melhor se o autor não exagerasse na caracterização da mulher, para além de revoltante chegou a ser entediante ler todos aqueles comentários. 

Dizia o meu pai, a voz das mulheres só sabe ignorâncias e erros, cada coisa de que se lembrem nem vale a pena que a digam. mais completas estariam, de verdade, se deus as trouxesse ao mundo mudas. só para entenderem o que fazer na preparação da comida e debaixo de um homem e nada mais.

 

Quem já leu outras obras do autor vai certamente notar que esta é muito mais pesada e violenta. Esta não é uma leitura que queira guardar na memória.

 

Classificação no Goodreads: 3/5

23
Abr17

Dia Mundial do Livro e do Direito do Autor | 2017

DiaMundialdoLivro.png

 

Hoje, celebramos o Dia Mundial do Livro. Esta data é comemorada, desde 1996 e por decisão da UNESCO, a 23 de Abril. Trata-se de uma data simbólica para a literatura, já que, segundo consta, neste dia desapareceram importantes escritores como Miguel de Cervantes e William Shakespeare.


Actualmente esta data é celebrada em cerca de 100 países e tem como objectivo proporcionar a reflexão sobre a importância da leitura, bem como relevar o prazer que esta atividade proporciona. Os direitos do autor também são lembrados no dia 23 de Abril, de modo a proteger a criação do autor e não tirar a sua credibilidade através da pirataria.


Em 2017, e porque se comemoram os 150 Anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal, a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas quis relacionar o Dia Mundial do Livro com esta efeméride, incitando à leitura e celebrando o livro como um hino à vida .


O cartaz deste ano, um cartoon com concepção e design da ilustradora e cartoonista Cristina Sampaio, pretende mostrar simbolicamente que o livro e a leitura são factores fundamentais para o crescimento económico, político, social e cultural, e que se encontram na base da cidadania plena.

 

Nós por aqui vamos fazendo os possíveis para relembrar o quão gratificante e importante é a leitura.

12
Abr17

A digerir o remorso...

Dizia o meu pai, a voz das mulheres só sabe ignorâncias e erros, cada coisa de que se lembrem nem vale a pena que a digam. mais completas estariam, de verdade, se deus as trouxesse ao mundo mudas. só para entenderem o que fazer na preparação da comida e debaixo de um homem e nada mais.

Terminei ontem à noite a leitura de O Remorso de Baltazar Serapião de Valter Hugo Mãe. Está a ser difícil digerir. A forma como a mulher é retratada revolta-me, enraivece-me, fez-me posar o livro demasiadas vezes. Levei quase 3 meses para o ler. Apenas a escrita do autor me fez querer continuar. Ainda assim entristece-me. Preciso de reflectir ou, talvez, esquecer o que li.

Alguém desse lado já leu?

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

WOOK - www.wook.pt

A Ler


goodreads.com

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D