Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claro como a água

Claro como a água

26
Jun16

CITAÇÃO | Franz Kafka e os livros

É bom quando a nossa consciência sofre grandes ferimentos, pois isso torna-a mais sensível a cada estímulo. Penso que devemos ler apenas livros que nos ferem, que nos afligem. Se o livro que estamos a ler não nos desperta como um soco no crânio, para quê perder tempo a lê-lo? Para que ele nos torne felizes? Oh Deus, nós seríamos felizes do mesmo modo se esses livros não existissem. Livros que nos fazem felizes poderíamos escrevê-los nós mesmos num piscar de olhos. Precisamos de livros que nos atinjam como a mais dolorosa desventura, que nos assolem profundamente – como a morte de alguém que amávamos mais do que a nós mesmos –, que nos façam sentir que fomos banidos para o ermo, para longe de qualquer presença humana – como um suicídio. Um livro deve ser um machado para o mar congelado que há dentro de nós.

14
Jun16

OPINIÃO | A Metamorfose

WP_20160613_004.jpg

Título: A Metamorfose

Autor: Franz Kafka

Ano da primeira publicação: 1915

Editora: Bertrand Editora 

 

Adiei esta leitura por muito muito tempo por não me sentir minimamente atraída por protagonistas que se transformam em insectos. Com uma sinopse tão absurda como é que o livro teve e tem tanto sucesso? Só lhe peguei porque é Kafka, é obrigatório e estava há demasiado tempo na minha TBR. Ontem à tarde fiz o esforço inicial necessário para lhe pegar e que bem que soube!

 

É uma obra que se lê num ápice, tem menos de 100 páginas e rola a um ritmo alucinante. Começa assim:

 

"Uma manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco insecto."

 

Acho genial a metáfora que Kafka criou. O homem que acorda num corpo de insecto é um empecilho para a família. Se no início da transformação os pais e a irmã ainda se preocupavam com ele, com as suas necessidades básicas e com o seu bem estar, ao longo da história esse comportamento altera-se. Kafka caracteriza assim o comportamento do ser humano em situações extremas e mesmo absurdas. A reacção da família perante o sofrimento de Gregor, o egoísmo, a repugnância que sentem e a facilidade com que Gregor aceitou a transformação arrepiam-me e revoltam-me. Como é que se esquece alguém que se ama?

 

"Naquela família assoberbada e extenuada, quem teria tempo para se ocupar de Gregor mais do que o estritamente necessário?"

 

E a escrita? Tão simples, tão directa e eficaz a transmitir os sentimentos do protagonista-insecto-mais-humano-do-que-qualquer-outra-personagem. Agora percebo porque é um livro obrigatório.

 

Classificação no Goodreads: 4/5 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

WOOK - www.wook.pt

A Ler


goodreads.com

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D