Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Claro como a água

Claro como a água

01
Abr16

OPINIÃO | Jane Eyre

 :

 

Título: Jane Eyre

Autor: Charlotte Brontë

Ano da primeira publicação: 1847

Editora: Civilização Editora

 

Desenganem-se se acham que toda a gente conhece a história de Jane Eyre sem ter lido o livro. Eu cá não fazia ideia nenhuma sobre a história, sabia que se centrava na jovem Jane Eyre mas nada mais do que isso.

Antes de ler o livro tive muito cuidado em não ler nada sobre a obra para não revelar algum spoiler. Não li a sinopse, não li críticas, nem a nota introdutória presente nesta edição brilhante da Civilização Editora. Acho que foi o melhor que podia ter feito, tudo nesta história foi novidade para mim e foi tão tão tão mas tão bom!

 

Vou tentar escrever algumas palavras sobre esta obra sem revelar mais do que é suposto, para não arruinar a experiência literária que Jane Eyre proporciona.

 

Neste romance a escritora inglesa Charlotte Brontë escreve sobre a vida de Jane Eyre, desde a sua infância até aos seus vinte e muitos anos. Este clássico da literatura foi a última obra publicada pela autora e crê-se que tenha derivado da experiência vivida por Charlotte e a irmã Emily (autora de O Monte dos Vendavais) no internato. Por este e muitos outros motivos é inevitável comparar a personagem Jane Eyre à própria Charlotte Brontë, e pensar que muitas das coisas que aconteceram a Jane, passaram-se também com Charlotte.

 

 

Quem quiser evitar spoilers ignore este parágrafo por favor. Como em todos os grandes clássicos da literatura inglesa do século XIX, também nesta obra existe um par romântico: Jane Eyre e Edward Rochester. A autora consegue mostrar ao leitor o quão forte é a relação (inesperada) que os une e talvez por isso, este par vai ficar comigo para sempre, e olhem que eu não sou nada destas coisas românticas e lamechas. 

 

A escrita de Charlotte é simples, descritiva q.b., algo que directa e bastante fluida, foi uma experiência muito agradável para mim e essencial para os amantes de clássicos. É desta forma que a autora nos mostra que a vida nem sempre é fácil e que temos de arranjar coragem, em nós ou nos outros, para enfrentar os momentos de maior aflição.

 

Recomendo mesmo que leiam esta obra, bate Emily Brontë e mesmo algumas de Jane Austen.

Como não consigo evitar, aqui ficam algumas das minhas passagens preferidas:

 

"Sacrifício? O que é sacrifício? A fome pelo alimento, a expectativa pela satisfação. Pelo privilégio de abraçar o que mais estimo, de beijar o que mais amo, de descansar em quem confio. Será isto fazer um sacrifício? Se assim é, então, sem dúvida, me apraz o sacrifício."

 

"- Não há coisa mais feia no mundo do que uma criança má (...) sabe para onde vão os maus depois da morte?

- Vão para o inferno - foi a minha resposta rápida e ortodoxa.

- E o que é o inferno? Sabes dizer-me?

- Um poço cheio de fogo.

- E gostarias de cair nesse poço e ficar lá a arder para sempre?

- Não, senhor.

- Que deves fazer para o evitar?

Pensei por instantes. A minha resposta, quando a formulei, era discutível.

- Tenho de me manter com saúde e não morrer."

 

Classificação no Goodreads: 4/5

 

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Facebook

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Parcerias

WOOK - www.wook.pt

A Ler


goodreads.com

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D